terça-feira, agosto 21, 2007

A MISÉRIA NA RELAÇÃO: PREGADORES E MENSAGENS.

Autor: Gustavo Custódio.

Dando continuidade a uma série de comentários sobre a realidade brasileira, mantenho a postura de inconformidade com a relação ministro e ministérios, chegando a pensar absurdamente que alguns estão nesta pela recompensa financeira, pois, se estivessem em outro lugar (profissional) não seriam ninguém. Para tal afirmativa é só ver o procedimento pastoral e “toda dedicação que estes tem para com o rebanho”.


Fazendo aqui uma comparação ente o tempo de Ezequiel e o nosso, vejo uma palavra de esperança para aqueles que genuinamente se dedicam a Deus e ao chamado que tiveram, os ato impuros praticados dentro de alguns ministérios não passaram em branco. “Os profetas de nosso tempo” dão seu tempo a promulgar a sua palavra e o seu ministério pessoal, para sua glória e honra, enquanto o convite de Cristo para os proclamadores da palavra é que sejam profetas da palavra em meio a geração corrupta e perversa.


Pergunto aos pregadores ditos “profetas do nosso tempo”, se pregamos para encher o templo ou para transmitir o evangelho em sua integra? Manifestamos a nossa retórica para iludir ou entreter, ou a manifestaremos para fazer cumprir a grande comissão? Os profetas da palavra são poucos e raros, não se vendem ao seu tempo e a corrupção da verdade, revelam o evangelho de forma contextualizada, mas não mudam seu conteúdo, “enquanto os profetas do nosso tempo” proclamam inovações baratas, mobilizam o sentimento de barganha com Deus, prometem aquilo que não podem cumprir.


Enquanto o profeta da palavra gasta bom tempo do seu pastorado, preparando suas mensagens, como fruto de uma boa exegesse e análise biblica, lutam pela permanência dos cultos de estudos e das E.B.D., os “profetas do nosso tempo” reinventam o que é ser igreja, dizendo agora encontrar um novo método, vindo do céu, e que fora deste as igrejas estão em erros. Trabalham suas mensagens a 15min. antes de expor e não dão a mínima para os cultos de Estudo, tudo que cheira a plantar para depois de algum tempo colher é desprezado, desejam a inovação do sistema fast foud, toma lá - da cá. Falando em cheio para aqueles que tem comichões nos ouvidos, que desejam um evangelho moldado a sua moralidade e intelectualidade.


Que me desculpem os conformados, reforma sempre será necessária.