sexta-feira, julho 28, 2006

A ARTE DA COMUNICAÇÃO

Para a tratativa da comunicação é necessário compreender quais fatores são fundamentais a ela: “O emissor, o receptor, o tema ...da mensagem e o código utilizado.”[1] Quem fala ou escreve o faz com o intuito de que alguém leia, e não somente leia, mas, também entenda a mensagem passada em símbolo.

Para o emissor é necessário lembrar que comunica exige conhecer, conhecimento este não limitado ao assunto. Este conhecimento passa a ter como foco o receptor, é necessário dizer a quem deseja de forma objetiva, clara e compreensível.

Durante muito tempo no Brasil se escreveria pelo prazer da erudição e não para a compreensão. Falar difícil era falar bonito. Hoje há a compreensão de que só fala fácil quem sabe. Uma das formas mais eficientes da comunicação é através da oração. A oração bem construída gera inteligibilidade.

Na língua Portuguesa a rica história da literatura brasileira serve de estímulo para que novos escritores não fiquem confinados na forma bruta da escrita. A comunicação não se restringe ao escritor, mas também passa a ser de vital importância para o orador. Homens que transmitem seus ideais e convencem a massa a fazer aquilo que é grotesco pelo simples poder de sedução. Outros possuem em seus discursos todos os elementos da dignidade, mas, não convencem nem a si mesmo.

Muitos quando chegam na ora de olhar para uma platéia e de discorrer sobre aquilo que verdadeiramente domina, não conseguem, se intimidam, fogem e nunca mais conseguem vencer a frustração.

Alguns erros graves na oratória:

Falar gritando; o povo não é surdo.

Gestos em demasia; o palco não é um picadeiro.

O mau preparo; não se convence ninguém com lorotas e se consegue pouca eficiência com o uso abusivo do improviso.

Vestimentas espalhafatosas; o que deve atrair são as palavras não à aparência. Mostre sobriedade.

“Para ser agradável a um auditório moderno, é necessário, antes... que o discurso nada contenha de banal e que seja pronunciado com arte sóbria, mas palpitante.”[2]

A regra de; nada de mais nem nada de menos, é a melhor saída.

Cuide de alguns detalhes:

Pronuncie com clareza;
Cuide para não ser superficial;
Demonstre convicção;
Não trate o público como “burros”;
Esteja pronto para perguntas;
Seja divertido e demonstre interesse pelo aluno;

A importância da visualização é imprescindível na era da internet. Seja um texto ou na oratória esteja disposto a usar recursos inteligentes e slogans atraentes.

Exemplo:

“Red Bull te da asas.”

O slogan acima já trás a memória o visual da propaganda.

Na arte de conquistar o público a imagem e as palavras são ótimos recursos. Quantos vão ao mercado para comprar o produto pelo seu nome industrial? A maioria é levada pela marca, amido de milho é Maizena; esponja de aço é Bom bril e assim por diante, e se alguém deseja concorrer com estas e outras marcas é necessário fazer o mesmo trabalho de conquista do mercado e até lembrar o consumidor de que ele é o concorrente.

A música brasileira durante os anos vem conquistando o público com sonoras melodias de Bossa nova, do tropicalismo e da jovem guarda e as inesquecíveis bandas da década de 80.

Mas o que encanta está geração não é as melodias de Caetano e nem a poesia de Chico Buarque e sim as músicas repetitivas e de ritmos eletrônicos. A cada momento a industria fonográfica tem que estar atenta aos apelos do mercado para não perder espaço.

O mercado é tão frenético que carreiras como a de Roberto Carlos, Betânia, Djavan, João Bosco e outros são raros, o normal é o modismo e a novidade. Na internet os pop up’s são os chamarizes para compras, a caixa de e-mail serve também como caixa comercial. A cada dia novas marcas, mais concorrência e nesse mundo de alta qualidade, como diz o velho Guerreiro: “Quem não se comunica se estrumbica.”

A sempre uma necessidade de desenvolvimento, um visual diferenciado, um atendimento personalizado um esquema que identifique o seu grupo entre todos os outros. Se você tiver oportunidade e interesse em desenvolver procure entender o que marca cada personagem que está em evidência.

O que faz muitos brasileiros pararem na frente da TV e escutar uma hora de Jornal Nacional?Ao mesmo tempo meios comunicativos como rádio e jornais vem perdendo espaço, pois a agilidade nas informações na internet deixa o consumidor informado quase de imediato, os rádios parecem ter a sua massa de ouvintes em profunda decadência (principalmente entre os mais jovens), as raras melhorias acontecem com as emissoras que transmitem notícias.

[1] JAKOBSON, Roman. Lingüística e comunicação. p.19
[2] BARBOSA, Osmar. A arte de falar em público. p.30

Nenhum comentário: