domingo, setembro 06, 2015

A vida como dádiva.

É comum em nossos dias que cristãos ditos evangélicos estejam olhando para a vida de forma extremamente materialista e esquecendo-se das dimensões futuras que nos aguarda. Esse materialismo "gospel" se apropria da busca pelo prazer como fonte da felicidade e excluídos de qualquer bom senso, vivem uma vida dissoluta.

Diante desse cenário caótico onde líderes e liderados fazem por merecer sua própria condenação, a pergunta que nos resta é: O que fazer para manter uma integridade constante e um crescimento espiritual onde a fidelidade e a glória de Deus seja sempre o objetivo? Para começar as ponderações necessitamos entender o que verdadeiramente significa pecado. Não se trata de leves e pequenos erros sem total relevância e sim uma total oposição a Deus, um ato de rebeldia tão nefasto que nos faz andar "livremente", e em nome dessa liberdade nos deparamos com qualquer possibilidade de restauração própria, o pecado então sem a intervenção redentora de Cristo, torna-se um caminho sem volta. Apartados de Deus nesse mundo e no vindouro, para toda a eternidade.

Para aqueles que tiveram seus olhos iluminados e por total e livre graça foram aceitos diante de Deus, comprados e resgatados pelo sacrifício vicário de Cristo. Agora temos e realidade de vida. Primeiro pelo simples motivo de nosso gozo e prazer virem de Deus e ter que refletir nossa transformação interior e exterior. Segundo, entendemos que nossa vida sem uma relação com Deus, nunca será plena. Terceiro, compreendemos que por nós mesmos a única coisa que fazíamos por nós era nos sujar completamente, dia após dia e nos tornar merecedores do castigo eterno.

Em Cristo, o prazer não nos governa mais, as paixões não nos serve como desculpas para um andar em pecado. Temos uma nova mentalidade, vinda do alto, onde o entendimento é esclarecido, a morte é vencida pela vida. Como cristão não tomamos a forma do mundo, os valores que nele há não são os que Cristo nos chamou a viver.

Vivamos para a glória de Deus.

Nenhum comentário: